VOLTAR

 

FAZENDO A DIFERENÇA

 

“A garotinha estava preocupada. Ligava a televisão e... violência, até mesmo em programas infantis; nos noticiários, então, além da violência, muita corrupção. Gente que tem o dever de cuidar do Brasil, cuidando acima de tudo dos próprios interesses, enriquecendo com o dinheiro do povo.

– Como será o meu futuro? – Perguntava a si mesma. – E o futuro da minha família, do meu país?...

Com tantos pensamentos machucando-lhe a alma, foi procurar um sábio e lhe falou das suas preocupações.

O sábio, feliz por encontrar uma criança tão lúcida, tão consciente, respondeu:

– São as crianças de hoje que farão o futuro do nosso país.

Olhou bem fundo nos olhos da menina e, quando percebeu que ela entendera, sorriu.

Naquele momento, aquela garotinha estava começando a fazer a diferença.

No dia seguinte foi falar com a diretora da escola. As duas conversaram bastante e... Alguns dias mais tarde todas as professoras daquela escola passaram a ensinar aos alunos valores como honestidade, não violência, afetividade, ética, respeito por si mesmos, pelos outros, pela vida, por tudo.

As professoras explicavam o quanto é importante as crianças aprenderem a vivenciar esses valores e darem bons exemplos aos adultos. Diziam que, além de tudo, ao crescerem, elas poderão ajudar a mudar o nosso país, para melhor.

No mês seguinte, os alunos daquela escola, muito entusiasmados, realizaram no bairro a primeira campanha pela paz e pela honestidade. Procuraram alguns empresários e conseguiram doações para fazer as faixas, os cartazes e os folhetos da campanha.

Foi um sucesso!

E você? Se você tem 8 anos de idade... ou 10 ou 20. Se você tem 40 ou 70 anos... Pense em que a única solução para acabar com a violência, a corrupção, as desigualdades e a injustiça em nosso país, está na mudança de mentalidade.

É aí que você entra, e começa também a fazer a diferença.”